A MEDIDA SOCIOEDUCATIVA DE SEMILIBERDADE E SEU POTENCIAL TRANSFORMADOR: ESTUDO DE CASO REALIZADO EM UMA UNIDADE FEMININA DO DISTRITO FEDERAL

Alessandra do Carmo Fonseca, Luísa Maria da Silva Delgado, Maria Cristina Madeira Silva

Resumo


RESUMO

Esta pesquisa apresenta uma discussão sobre a Educação no Sistema Socioeducativo e seus desdobramentos, explicitando a complexidade desta temática, principalmente sobre as medidas privativas e restritivas de liberdade feminina. Investigou-se a relação que as adolescentes em conflito com a lei estabeleceram com a unidade socioeducativa e como essa relação poderá contribuir para a reconstrução de suas vidas. A metodologia adotada foi à qualitativa, por meio da observação participante e de entrevistas semiestruturadas realizadas a partir dos princípios da História Oral Temática. A apreciação das entrevistas realizou-se a partir da utilização da Análise de Conteúdo Categorial. Identificou-se que o primordial para a efetividade da medida socioeducativa foi à relação estabelecida entre as adolescentes e a unidade socioeducativa, ou seja, esta relação contribuiu significativamente para o início da reconstrução da trajetória de vida delas.

 

ABSTRACT

This research presents a discussion about Education in the Socioeducational System and its unfolding, explaining the complexity of this subject, especially on the private and restrictive measures of female freedom.This research investigated the relationship that adolescents in conflict with the law established with the socio-educational unit and how this relationship could contribute to the reconstruction of their lives. The methodology adopted was qualitative, through participant observation and semi-structured interviews based on the principles of Oral Thematic History. The evaluation of the interviews was made using the Categorical Content Analysis. It was identified that the key to the effectiveness of the socio-educational measure was the relationship established between the adolescents and the socio-educational unit, that is, this relationship contributed significantly to the reconstruction of their life trajectory.


Palavras-chave


Adolescência, Educação Social, Sistema Socioeducativo, Adolescence, Social Education, Socio-educational System

Texto Completo:

PDF

Referências


Adballa, J.F.S. (2013). Aprisionando para educar adolescentes em conflito com a lei: memória, paradoxos e perspectivas (Tese de Doutorado).Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, Brasil.

Almendra, C. A. C. e Baierl, L.F. (2007) A violência: realidade cotidiana. Sociedade e Cultura, v.10,n. 2,jul/dez, pp267-279.

Azevedo, S.; Correia, F. (2013). A educação social em Portugal: evolução da identidade

profissional.RES Revista de Educação Social, nº 17, julho. Disponível em: http://www.eduso.net/res/pdf/17/ascport_res_17.pdf

Bazon, M. R. (2013). Trajetórias escolares de adolescentes em conflito com a lei.Educação

em Revista, v. 29, n. 2, pp 175-199, jun, Belo Horizonte.

Brasil, 2015. Levantamento Anual do SINASE 2013. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República SDH/PR. Acesso mar. 2016. Disponível em:

http://www.sdh.gov.br/noticias/pdf/levantamento-2013

Brasil, 2012. Levantamento Anual dos Adolescentes em Cumprimento de Medida Socioeducativa (2012). Disponível em: http://www.sdh.gov.br/assuntos/criancas-e- adolescentes/pdf/levantamento-sinase-2012. Acesso em setembro 2016.

Brasil, Lei nº 12.594/2012. Institui o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (SINASE),

regulamenta a execução das medidas socioeducativas destinadas a adolescente que

pratique ato infracional. Acesso em: 12/12/2015. Disponível:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato20112014/2012/lei/l12594.htm

Brasil, Lei nº 8.069/1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras

providências. Acesso em: 12/12/2015. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8069.htm

Brasil, Lei nº 6.697/79. Institui o Código de Menores. (2º Código de Menores). Disponível em:

http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-6697-10-outubro-1979-365840-norma-pl.html

Brasília, (2013). Projeto Político Pedagógico das Medidas Socioeducativas no Distrito Federal/Semiliberdade. Secretaria de Estado da Criança, Subsecretaria do Sistema Socioeducativo, GDF.

Brasília, (2011). Pesquisa Socioeconômica sobre Territórios de Vulnerabilidade Social no Distrito Federal. Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos/Dieese. Disponível em: https://www.dieese.org.br/relatoriotecnico/2010/produto6.pdf

Correia, Maria da Conceição Batista. A observação participante enquanto técnica de investigação. Pensar Enfermagem Vol. 13 N.º 2, 2º Semestre de 2009. Disponível em: http://pensarenfermagem.esel.pt/files/2009_13_2_30-36.pdf Acesso em: 20/09/21016.

Costa, C.R.R.S.F. e Assis, S.G. (2006). Fatores protetivos a adolescentes em conflito com a lei no

contexto socioeducativo. Psicologia & Sociedade, 18(3): set/dez, pp74-81.

Frasseto, F. A. (2008). Pela necessidade de uma doutrina do processo de execução de medidas

socioeducativas. Núcleo Especializado de Infância e Juventude da Defensoria Pública do Estado de São Paulo, Brasil. Acesso em 05/2016. Disponível em:

http://www.defensoria.sp.gov.br/dpesp/Default.aspx?idPagina=3066

Freire, P. (2009). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (2000). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro, Paz e Terra.

Gueresi, S.; Silva, E. R. A.(2003). Adolescentes em conflito com a lei: situação do atendimento institucional no Brasil. Texto para discussão nº 979, ISSN 1415-4765, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

Hamoy, A. C. B. (2005). A garantia do devido processo legal ao adolescente acusado da prática de ato infracional: o acesso à justiça, a ampla defesa e o contraditório. Em: Apuração de ato infracional e execução de medida socioeducativa: considerações sobre a defesa técnica de adolescentes. Frasseto, F. (org). Publicação da ANCED – Associação Nacional dos Centros de Defesa da Criança e do Adolescente.

Liberati, W. D. (2012). Adolescente e ato infracional: medida socioeducativa é pena? Malheiros Editores LTDA. São Paulo, 2 edição.

Minayo, M. C. S. e Njaine, K. (2002). Análise do discurso da imprensa sobre rebeliões de jovens infratores em regime de privação de liberdade. Revista Ciência e Saúde Coletiva, 7(2), pg. 285-297.

Nayara Oliveira (2013). Polêmica no Guará. Guará Hoje (jornal online). Acesso em maio

Disponível em: http://www.guarahoje.com.br/ler.php?id=1268

Paludo, S.S.; Muller, F.; Barboza, P.S.; Oliveira, C. C.; Santos, R.(2009). Perfectivas de adolescentes em conflito com a lei sobre o delito, a medida de internação e as expectativas futuras. Rev. Bras. Adolescência e Conflitualidade, 1(1), pp70-87.

Silvério, A., C. S. (2008). As adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa de internação no Distrito Federal: onde fica o Gênero (2006-2008) (Trabalho de conclusão de Curso) Departamento de Serviço Social, Universidade de Brasília, Brasília, Brasil.

Sposato, K.B. (2011). Elementos para uma Teoria da Responsabilidade Penal. (Tese deDoutorado) Universidade Federal da Bahia, Bahia, Brasil.

Tejadas, S.S. (2005). Juventude e ato infracional: as múltiplas determinações da reincidência. (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Serviço Social. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Brasil.

Volpi, Mario (2015). O adolescente e o ato infracional. São Paulo, Cortez, 10ª edição


Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Tea Sets and Tea Set