A IMPORTÂNCIA DA UNIVERSIDADE SÉNIOR PARA UM ENVELHECIMENTO ATIVO: UNIVERSIDADE SÉNIOR DE MACHICO - UM ESTUDO DE CASO NA RAM

Élia Teixeira, Sónia Galinha

Resumo


RESUMO

O presente estudo assumiu como objetivo central perceber a importância da universidade sénior USM, insular, na perspetiva de quem a frequenta – especificidades e mudança positiva que proporciona. Esta investigação baseou-se num estudo de caso utilizando técnica a análise documental e instrumentos a entrevista semi diretiva (n=4) e um inquérito por questionário dirigido aos alunos seniores da USM (n=36).Através da recolha de dados concluiu-se que a universidade sénior estudada veio modificar o dia-a-dia dos seus alunos preenchendo um espaço que mais tarde veio revelar-se imprescindível nas suas vidas. Veio igualmente contribuir para um envelhecimento ativo, na medida que se observou que os idosos participantes na amostra do estudo criaram laços sociais, amizades, adquiram e partilham saberes que proporcionaram a sua participação social, transformando-os em seres mais envolvidos no seio em que se inserem assim como em novos ambientes e no aprofundamento de novos conhecimentos, constituindo-se a USM também numa resposta contra a solidão e isolamento. Embora com as suas particularidades, os dados vêm no sentido do defendido pela Organização Mundial de Saúde, pelas Universidades Seniores e outros autores de relevo no domínio.

 

ABSTRACT

The main objective of this study was to understand the importance of the USM university, insular, in the perspective of those who attend it - the positive change it provides. This research was based on a case study using documental analysis technique and instruments the semi-directive interview (n = 4) and a questionnaire survey directed to USM senior students (n = 36). Through the collection of data it was concluded that the university studied senior has changed the day to day of their students filling a space that later came to prove essential in their lives. It also contributed to an active aging, as it was observed that the elderly participants in the sample of the study created social bonds, acquaintances, acquire and share knowledge that provided their social participation, transforming them into more involved beings in the as well as in new environments and in the deepening of new knowledge, constituting the USM also in a response against solitude and isolation. Although with their particularities, the data come in the sense advocated by the World Health Organization, the Senior Universities and other prominent authors in the field.


Palavras-chave


Envelhecimento, Envelhecimento Ativo, Idoso, Madeira, Universidades Seniores, Aging, Elderly,Active aging, Madeira Island, Senior Universities

Texto Completo:

PDF

Referências


Afonso, N., (2005). Investigação Naturalista em Educação: Um guia prático e crítico. Porto: Edições ASA.

Albarello, L., et el., (1997). Práticas e Métodos de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa: Gradiva.

Almeida, F., (2016). O Contributo das Universidades da Terceira Idade na Qualidade de Vida dos Seniores. Dissertação de Mestrado em Educação de Adultos e Desenvolvimento Local. Instituto Politécnico de Coimbra: Escola Superior de Educação.

Almeida, M., (2012). As Universidades da Terceira Idade: Novas Aprendizagens ou Centros de Convívio. Dissertação de Mestrado em Ciências da Educação. Universidade Nova de Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas.

Ander-Egg, E., (1995). Para quem quer ser um Trabalhador Social, in Introdução ao trabalho social. Petrópilis: Vozes, pp.261-284.

Azeredo, Z., (Coord.). (2016). Envelhecimento, Cultura e Cidadania. Lisboa: Edições Piaget. Coleção: Epigénese, Desenvolvimento e Psicologia.

Banks, S., & Nohr, K., (Coord.). (2008). Ética Prática para as Profissões do Trabalho Social. Coleção Educação e Trabalho Social, 8. Porto: Porto Editora.

Cabral, M., & Ferreira, P., (s.d.). O Envelhecimento Ativo em Portugal: Trabalho reforma, lazer e redes sociais. Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Câmara Municipal de Machico, (s.d.). Demografia. Freguesias. Acedido a 17 de outubro de 2016, em: http://www.cm-machico.pt/demografia.php em: http://www.cm-machico.pt/freguesias.php

Carmo, H., (2002). Problemas Sociais Contemporâneos. Lisboa: Universidade Aberta.

Carmo, H., & Ferreira, M., (1998). Metodologia da investigação: Guia para autoaprendizagem. Lisboa: Universidade Aberta.

Carneiro, R., (2012). O Envelhecimento da População: Dependência, Activação e Qualidade. Universidade Católica Portuguesa: Facultade de Ciências Humanas, Lisboa.

Carvalho, A., & Baptista, I., (2004). Educação Social – Fundamentos e Estratégias. Coleção Educação e Trabalho Social, 1. Porto: Porto Editora.

Carvalho, L., & Silva, M., (2015). Universidades da Terceira Idade: dimensão educativa e social. Aprender: Revista da Escola Superior de Educação, Instituto Politécnico de Portalegre.

Chizzotti, A., (2001). Pesquisa em ciências humanas e sociais. 5ª Edição. São Paulo: Cortez.

Comissão Europeia. (2007). Estrutura dos Sistemas de Ensino, Formação Profissional e Ensino para Adultos na Europa. Unidade Portuguesa da Rede Eurydice, Ministério da Educação, Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação. Lisboa

Conselho de Ministros. (2016). Comunicado do Conselho de Ministros de 20 de Outubro de 2016. Acedido a 24 de novembro de 2016, em: http://www.portugal.gov.pt/pt/ogoverno/cm/comunicados/20161020-com-cm.aspx

Conselho Nacional de Educação. (2007). Aprendizagem ao Longo da Vida no Debate Nacional sobre Educação. ISBN: 978-972-8360-46-9

Correia, F., (2011). Idosos: Manutenção no domicílio e educação social. Universidade Sénior Contemporânea. Revista Transdisciplinar de Gerontologia, vol. IV, nº 2, pp. 16-21

Costa, M., (2011). Qualidade de Vida na Terceira Idade: a Psicomotricidade como Estratégia de Educação em Saúde. Lisboa: Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.

Figueiredo, V., (2014). Universidades da Terceira Idade: Razões para a sua frequência. Instituto Politécnico de Coimbra: Escola Superior de Educação. Dissertação de Mestrado

Fonseca, J., (2008). Os Métodos Quantitativos na Sociologia: Dificuldades de Uma Metodologia de Investigação. VI Congresso Português de Sociologia – Mundos Sociais: Saberes e Práticas. Universidade Nova de Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. pp. 8 e 9 Fundação Francisco Manuel dos Santos (2009). Acedido a 21 de novembro de 2016, em: http://www.pordata.pt/Europa/%C3%8Dndice+de+envelhecimento-1609

Galinha, S. (2009). A inter-relação qualidade de vida percebida, bem-estar subjetivo no envelhecimento ativo, animação e coaching ontológico. In Pereira, J., & Lopes, M. (Coords.), Animação sociocultural na terceira idade. Amarante: Intervenção – APDC. pp. 89-107

Galinha, S., (2016). Bem-Estar e envelhecimento ativo: Para uma intervenção socioeducativa em idade avançada. Acedido a 31 de março de 2017, em: http://quadernsanimacio.net/ANTERIORES/veintitres/index_htm_files/BemEstar.pdf

Ghiglione, R., & Matalón, B., (1992). O inquérito. Teoria e prática. Oeiras: Celta Editora.

Gil, A., (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª Edição. São Paulo: Editora Atlas.

Gonçalves, J., & Neto, F., (2013). Influência da frequência de uma Universidade Sénior no nível de solidão, autoestima e redes de suporte social. Revista Eletrónica de Psicologia, Educação e Saúde, 3 (1), pp. 69-92

Guerra, I., (2002). Fundamentos e Processos de Uma Sociologia da Ação – O Planeamento em Ciências Sociais. Cascais: Principia

Jacob, L., (2007). Animação de Idosos. Cadernos Socialgest, n.º 4 (Manual de Animação de idosos)

Jacob, L., (2012). Universidades Seniores: Criar novos projetos de vida. Edição: RUTIS (Associação Rede de Universidades da Terceira Idade). Coleção Rutis, n.º 3

Jacob, L., (2015). A educação e os seniores. Revista Kairós Gerontologia, 18. pp. 81-97

Junta de Freguesia de Machico. (s.d.). Universidade Sénior. Acedido a 21 de novembro de 2016, em: http://jf-machico.pt/universidade-senior-2/

Junta de Freguesia de Machico. (s.d.). Universidade Sénior de Machico. Acedido a 21 de novembro de 2016, em: http://jf-machico.pt/universidade-senior-pag/

Lessard-Hébert, M. et al., (2008). Investigação Qualitativa – Fundamentos e Práticas. (M. J. Reis, Trad.). 3ª Edição. Instituto Piaget.

Lima-Costa, M., & Veras, R., (2003). Saúde pública e envelhecimento. Cadernos de Saúde Pública. pp. 700-701

Machado, F., & Medina, T., (2012). As Universidades Seniores: Motivações e repercussões de percursos em contextos de aprendizagem. Educação, Sociedade & Culturas, nº 37. pp. 151-167

Marconi, M., e Lakatos, E., (2003). Fundamentos de Metodologia Científica. 5ª Edição. São Paulo: Editora Atlas. pp. 190-191

Monteiro, H., & Neto, F., (2008). Universidades da Terceira Idade: Da solidão aos motivos para a sua frequência. Oliveira de Azeméis: Livpsic

Neri, A. (Org.). (1993). Qualidade de vida no adulto maduro: interpretações teóricas e evidências de pesquisa. Acedido a 3 de fevereiro de 2017, em: https://books.google.pt/books?id=t_iv78lHAMC&pg=PA9&lpg=PA9&dq3

Ochoa, C., (2015). Amostragem Não Probabilística: Amostra por Conveniência. Acedido a 21 de novembro de 2016, em: https://www.netquest.com/blog/br/blog/br/amostraconveniencia

Organização Mundial da Saúde (2008). Guia global: cidade amiga do idoso. Acedido a 1 de junho de 2016, em: http://www.who.int/ageing/GuiaAFCPortuguese.pdf

Organização Mundial da Saúde (2015). Relatório Mundial de Envelhecimento e Saúde. Acedido a 18 de março de 2017, em: http://sbgg.org.br/wpcontent/uploads/2015/10/OMS-ENVELHECIMENTO-2015-port.pdf

Osório, A., & Pinto, F., (Coord.). (2007). As Pessoas Idosas: Contexto Social e Intervenção Educativa. Coleção: Horizontes Pedagógicos. Instituto Piaget

Pereira, F., (2012). Teoria e Prática da Gerontologia – Um guia para cuidadores de idosos. Viseu: Psico & Soma

Petrus, A., et al., (2003). Profissão: Educador Social. (E. Rosa, Trad.). Porto Alegre: Artmed, pp. 81-95

Pinto, M., (2003). As universidades da Terceira Idade em Portugal: das origens aos novos desafios do futuro. Revista da Faculdade de Letras. Porto, p. 467-477

Pocinho, R., et al., (Coord.). (2012). Envelhecer em tempo de crise: respostas sociais. Porto: Edição: LegisEditora

Poirier, J., Clapier-Valladon, S. & Raibaut, P., (1999). Histórias de vida – Teoria e Prática. 2.ª Edição. Oeiras: Celta Editora

Portada. (s.d.). População residente, estimativas a 31 de Dezembro nos Municípios. Acedido a 30 de outubro de 2016, em: http://www.pordata.pt/Municipios/

Quivy, R., e Campenhoudt, L., (1992). Manual de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa: Gradiva

Rodrigues, R., (2009). Avaliação comunitária de uma população de idosos. Coimbra: Mar da Palavra

Rodrigues, R., (2012). Universidades da Terceira Idade: Duas Décadas de Intervenção em Portugal. Escola Superior de Educação de Lisboa, Instituto Politécnico de Lisboa.

Rodrigues, R., et el., (2014). Os muito idosos: Avaliação da funcionalidade na área de saúde mental. Acedido a 24 de novembro de 2016, em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php

Rosa, M., (2012). O Envelhecimento da Sociedade Portuguesa. Fundação Francisco Manuel dos Santos

Rutis, (s.d.).ᵅ Guia Técnico das condições de criação e funcionamento das universidades e academias seniores. Acedido a 2 de junho de 2016, em: http://media.wix.com/ugd/b9a269_8857174d859a44319a7aee2390c6845e.pdf

Rutis, (s.d.).ᵇ Associação Rede de Universidades da Terceira Idade. Acedido a 2 de junho de 2016, em: http://www.rutis.pt/

Serrano, G., (1994). Técnicas de Investigacion en Educacion Social: Perspectiva Etnografiaca.Investigación cualitativa. Retos e interrogantes. (pp. 277-307). Madrid: Editorial La Muralla S. A.

Silveira, M., et el., (2012). Educação Gerontológica, Envelhecimento Humano e Tecnologias Educacionais: Reflexões sobre a velhice ativa. Estudo interdisciplinar envelhecimento, Porto Alegre, v. 17, n.º 2. pp. 387-398

Simões, A., (2006). A nova velhice. Um novo público a educar. Porto: Âmbar

Universidade Sénior de Machico. (s.d.). Universidade Sénior de Machico. Acedido a 2 de novembro de 2016, em: http://universidadeseniordemachico.blogspot.pt/

Universidade Sénior de Machico. (s.d.). Universidade Sénior de Machico. Acedido a 2 de novembro de 2016, em: http://usmachico.blogspot.pt/


Apontamentos

  • Não há apontamentos.