RELAÇÃO PROFISSIONAL PROFESSOR DO ENSINO SECUNDÁRIO - PROFESSOR DE EDUCAÇÃO ESPECIAL: PRÁTICA PEDAGÓGICA COM ALUNOS COM NEE Relation professor of secondary education - professor of special education: pedagogical practice with students with SEN

Maria Margarida Marques, Isabel Piscalho, Sónia Galinha, Francisco Silva

Resumo


Com o presente estudo quantitativo, propusemo-nos caraterizar as interações formais entre professores do Ensino Secundário e professores de Educação Especial quanto à frequência, iniciativa e ordem de trabalhos, e analisar em que medida as atitudes dos professores do Ensino Secundário face à relação profissional que estabelecem com o professor de Educação Especial influenciam as práticas pedagógicas que desenvolvem com estudantes com NEE. O estudo realizado permitiu-nos observar que as interações formais entre professores do Ensino Secundário e professores de Educação Especial acontecem essencialmente nos conselhos de turma, uma vez por período e por iniciativa da direção da escola ou do diretor de turma, e que existe uma relação entre as atitudes dos professores do Ensino Secundário face à relação profissional que estabelecem com os professores de Educação Especial e as práticas pedagógicas que desenvolvem com alunos com NEE.

 

ABSTRACT

With our quantitative study, we proposed to characterize the formal interactions between Secondary School teachers and Special Education teachers regarding the frequency, initiative and order of work, and to analyze the extent to which Secondary School teachers' attitudes towards the professional relationship they establish With the Special Education teacher influence the pedagogical practices they develop with students with SEN. The study allowed us to observe that the formal interactions between teachers of Secondary Education and teachers of Special Education occur essentially in the class councils, once per period and at the initiative of the direction of the school or of the class director, and that there is a relation Between the attitudes of Secondary School teachers in relation to the professional relationship they establish with Special Education teachers and the pedagogical practices they develop with students with SEN.


Palavras-chave


Inclusão, Prática Pedagógica, Professor de Educação Especial, Professor do Ensino Secundário, Relação Profissional, Inclusion, Pedagogical Practice, Professional Relationship, Secondary Education; Special Need Education

Texto Completo:

PDF

Referências


AEDNEE - Agência Europeia para o Desenvolvimento em Necessidades Educativas Especiais (2003). Educação inclusiva e práticas de sala de aula, Odense, Dinamarca: Agência Europeia para o Desenvolvimento da Educação. ISBN: 87-91350-20-4.

AEDNEE - Agência Europeia para o Desenvolvimento em Necessidades Educativas Especiais (2012). Perfil de professores inclusivos, Odense, Dinamarca: Agência Europeia para o Desenvolvimento da Educação. ISBN: 978-87-7110-333-5.

Carmo, H. & Ferreira, M. (1998), Metodologia da investigação. Guia para auto aprendizagem. Lisboa: Universidade Aberta.

César, M. (2012). Educação especial. Pequenos passos: alguns retrocessos e muito caminho para andar. Interações, 21, pp. 68-94.

Correia, L. M. (2010) O Sistema Educativo Português e as Necessidades Educativas Especiais ou quando Inclusão quer dizer Exclusão. In Correia, L. M. (Ed.), Educação Especial e Inclusão: Quem disser que uma sobrevive sem a outra não está no seu perfeito juízo. 2.ª Edição. Porto Editora: Porto.

Decreto-Lei nº3/2008 de 7 de janeiro. Diário da República, nº 4 - 1ª série. Ministério da Educação. Lisboa.

DGIDC – Direção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular (2009). Desenvolvimento da educação inclusiva. Da retórica à prática. Direção de Serviços de Educação Especial e do Apoio Socioeducativo. Estoril: Editora Cercica.

Duarte, J. B. (2004). Pedagogia diferenciada para uma aprendizagem eficaz. Contra o pessimismo pedagógico, uma reflexão sobre duas obras de referência. Revista Lusófona de Educação, 4, 33-50.

Formosinho, J. & Machado, J. (2008). Currículo e organização – as equipas educativas como modelo de organização pedagógica. Currículo sem Fronteiras, v.8. nº 1, 5-6. Universidade do Minho.

Freire, S. (2008). Um olhar sobre a inclusão. Revista de Educação, Vol. XVI, nº 1, 5-20. Instituto Superior D. Afonso III.

Freixo, M. J. V. (2010). Metodologia Científica. Colecção: Epistemologia e Sociedade. Piaget Editora. Lisboa.

Madureira, I. & Leite, T. (2003). Necessidades educativas especiais. Lisboa: Universidade Aberta

Melro, J. (2012). Algumas reflexões em torno da conceptualização, dos princípios e das práticas que configuram a educação inclusiva. Lisboa: Universidade de Lisboa, Instituto de Educação e Escola António Arroio.

Melro, J. & César, M. (2010). Desafios profissionais da educação inclusiva: a voz dos professores. In A. Estrela, L. Marmoz, R. Canário, J. Ferreira, B. Cabrito, N. Alves, et al. (Eds.), Actas do XVII Colóquio AFIRSE. A escola e o mundo do trabalho. Lisboa: Secção Portuguesa da AFIRSE.

Nóvoa, A. (1995). As Organizações Escolares em Análise. Lisboa: Publicações Dom Quixote;

Perrenoud, P. (2000). Dez novas competências para ensinar. S. Paulo: ArtMed

Perrenoud, P. (2005). Différencier: un aide-mémoire en quinze points. Faculté de Psychologie e des sciences de l’education. Université de Genève.

Quivy R. & Campenhoudt L. V. (2003). Manual de Investigação em Ciências Sociais. Gradiva. Lisboa.

Sanches, I. & Teodoro, A. (2006). Da integração à inclusão escolar: cruzando perspetivas e conceitos. Revista Lusófona de Educação, nº 8, 63-83.

Simão, A. V., Flores, M. A., Morgado, J. C. Forte, A. & Almeida, T. F. (2009). Formação de Professores em contextos colaborativos. Um projeto de investigação em curso. Sísifo. Revista de Ciências da Educação, nº 8, 61-74.

Vala, J. & Monteiro, B. (1996). Psicologia Social. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Copyright Stainless Steel Teapot