(DES) CONTINUIDADES EDUCATIVAS ENTRE AS UNIDADES DE ENSINO ESTRUTURADO PARA CRIANÇAS COM PERTURBAÇÕES DO ESPECTRO DO AUTISMO EM SALA DE AULA (Des) educational continuities between structured education units for children with aula specialized autism spectr

Vera Oliveira, Isabel Piscalho, Sónia Galinha, Francisco Silva

Resumo


Este estudo de caso pretende perceber se existe continuidade educativa entre as Unidades de Ensino Estruturado e as Salas de Aula e de que forma decorre no contexto estudado. Centralmente apresentamos o ensino estruturado – Modelo TEACCH, como forma de intervenção pedagógica para garantir um maior sucesso ao nível do desenvolvimento das crianças portadoras de Perturbações do Espectro do Autismo. Sobre a análise dos resultados obtidos através do método qualitativo, com recurso à aplicação de entrevistas semi-estruturadas em que foram analisadas as perspetivas de três professores do 1.º ciclo do Ensino Básico e da Professora de Educação Especial, foi-nos possível concluir neste estudo que existe comunicação entre os professores titulares de turma e a Professora de Educação Especial, promovendo a continuidade educativa entre as unidades de ensino estruturado para crianças com perturbações do espectro do autismo e a sala de aula.

 

ABSTRACT

This case study intends to understand if there is an educational continuity between the Units of Structured Teaching and the Classrooms and in what form it takes place. We centrally present structured teaching - TEACCH Model, as a form of pedagogical intervention to ensure greater success in the development of children with Autism Spectrum Disorders. On the analysis of the results obtained through the qualitative method, using semi-structured interviews, in which the perspectives of three teachers of the 1st cycle of Basic Education and of the Special Education Teacher were analyzed, it was possible to conclude In this case study there is communication between the class teachers and the Special Education Teacher, promoting the continuity of education between the units of structured education for children with autism spectrum disorders and the classroom.


Palavras-chave


Inclusão, Modelo TEACCH, Perturbações do Espetro do Autismo, Professor de 1º ciclo do Ensino Básico, Unidades de Ensino Estruturado, Autism Spectrum Disorders; Inclusion; Model TEACCH; Structured Teaching Units; Teacher of 1st cycle of Basic Education

Texto Completo:

PDF

Referências


Alarcão, I. (1996). Reflexão crítica sobre o pensamento de D. Shön e os programas de formação de professores. In I. Alarcão (Org.). Formação Reflexiva de Professores: Estratégias de Supervisão (pp. 9-39). Porto: Porto Editora.

American Psychiatric Association Staff, Kernberg (2013). DSM-V-TR - Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais. American Psychiatric Association Publishing

Bardin, L. (2006). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições Setenta.

Blackemore, S. & Frith, U. (2005). O cérebro que aprende – Lições para a educação. Lisboa: Gradiva, S. A.

Bogdan, R. & Biklen, S. (1994). Investigação Qualitativa em Educação. Uma Introdução à Teoria e aos Métodos. Coleção Ciências da Educação. Porto: Porto Editora.

Cadin - Centro de Apoio ao Desenvolvimento Infantil. (2015).Tenho um aluno com autismo. O que fazer? Disponivel em: http://www.cadin.net/autismo-estrategias-escola/

Cavaco, N. (2009). O Profissional e a Educação Especial - uma Abordagem sobre o Autismo. Lisboa: Editorial Novembro.

Constant, J. (1996). Réflexion critique sur la méthode Teacch à partir de cinq ans d’expérience en Hôpital de jour public. In Handicaps et Inadaptations, Les Cahiers du CTNETRHI, nº 69-70.

Comelles, A. (2006). Stultifera Navis – La Locura, El Poder Y la Ciudad. Lleida: Editorial Milenio.

Cumine, V., Leach, J. & Stevenson, G. (2008). Compreender a Síndrome de Asperger: Guia prático para educadores. Colecção Educação e Diversidade. Porto: Porto Editora.

Fernandes, D. (1991). Notas sobre os paradigmas de investigação em educação. Noesis (18), 64-66

Geschwind, D. H. (2009). Advances in Autism. Annu. Rev. Med. , 60, 367-380.

Hewitt, S (2010). Compreender o autismo - Estratégias para Alunos com Autismo nas Escolas Regulares. Porto: Porto Editora.

Kanner, L. (1943). Affective disturbances of affective contact. The Nervous Child, 2, 217 - 250.

Marques, C. E. (2000). Perturbações do Espectro do Autismo, Ensaio de uma Intervenção Construtivista Desenvolvimentista com Mães. Coimbra: Quarteto Editora.

McWilliam R.A., Snyder, P., Harbin, G.L., Porter, P & Munn, D. (2000). Professionals’ and families’ perceptions of family-centered practices in infant-toddler services. Early Education and Development, vol.11 (4), 519-538.

Mesibov, G. (2007). Formal and informal measures on the effectiveness of the TEACCH. Programme. Autism, 1(1), 25-35.

Ministério da Educação (2008). Decreto Lei nº3/2008 de 7 de janeiro.

Ministério da Educação. (2008). Unidades de ensino estruturado para alunos com perturbações do espectro do autismo - Normas Orientadoras. Lisboa: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular. Direcção de Serviços da Educação Especial e do Apoio Sócio-Educativo.

Newschaffer, C. J., Croen, L. A., Daniels, J., Giarelli, E., Grether, J. K., Levy, S. E., & Reynolds, A. M. (2007). The epidemiology of autism spectrum disorders. Annu. Rev. Public Health, 28, 235-258.

Oliveira, G. (2005). Epidemologia do Autismo em Portugal. Tese de Doutoramento não publicada da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra. Coimbra.

Pereira, M. C. (2005). Autismo. Uma perturbação pervasiva do desenvolvimento. Vila Nova de Gaia: Gailivro.

Probst P. & Leppert T. (2008). Brief report: outcomes of a teacher training program for autism spectrum disorders. Journal of Autism and Developmental Disorders, 38(9), 1791-1796.

Rodrigues, D. (2001). Educação e Diferenciação – Valores e Práticas para uma Educação Inclusiva. Coleção Ed. Especial. Porto: Porto Editora.

Rozental, L. (1993). El autismo. Enfoque fonoaudiológico. Buenos Aires: Editorial Medica Panamericana.

Siegel, B. (2008). O Mundo da criança com autismo – compreender e tratar perturbações do espetro do autismo. Porto: Porto Editora.

UNESCO. (1994). Declaração de Salamanca sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais. Salamanca: SL.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Copyright Stainless Steel Teapot