O PROJETO ORQUESTRA GERAÇÃO E A INCLUSÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS

Joana Silveira, Isabel Piscalho, Sónia Pereira, Francisco Silva

Resumo


Este artigo debruça-se sobre a forma como a música de orquestra pode contribuir para a inclusão de alunos com necessidades educativas especiais, tendo como objeto de investigação o projeto Orquestra Geração. O presente estudo, de natureza qualitativa, visa compreender, no contexto não formal de aprendizagem, de que modo um projeto de educação pela música - enquanto lugar de aquisição e valorização de competências- pode ser inclusivo. Pretendemos aferir, por um lado, como este projeto pode ser facilitador da aprendizagem e do desenvolvimento e, por outro, se as práticas pedagógicas usadas na aprendizagem musical/experiência artística são inclusivas. Os dados foram recolhidos através de entrevistas à coordenadora pedagógica, aos dois coordenadores de orquestra, ao professor de instrumento, a dois dos alunos com NEE ao nível motor e aos respetivos encarregados de educação. Trata-se de uma amostra de conveniência, com intervenientes no processo educativo das orquestras onde tocam os alunos, que pertencem aos municípios da Amadora e Oeiras. Recorreu-se também a observações de aulas individuais de instrumento e momentos de estágio de orquestra. Os resultados obtidos sugerem que a experiência artística proporcionada aos alunos através da prática orquestral pode propiciar um ambiente favorável à aprendizagem, assim como facilitar a expressão de emoções e contribuir para o desenvolvimento pessoal, social e cultural. A metodologia e as práticas pedagógicas revelaram-se inclusivas, derivando daí que a OG é uma ferramenta ao serviço do processo inclusivo e educativo.

 

ABSTRACT

This paper is about the way orchestral music can contribute to the inclusion of special needs students and analyses the project Orquestra Geração. This qualitative study aims to understand how an educational project, using music within and informal context of learning, can help the inclusion and acquisition of new skills for special needs students. The paper will argue that, on the one hand, this project can help with learning and development, on the other hand the pedagogic practices used in musical and artistic learning are inclusive by nature. The data was collected within a series of interviews, with the pedagogical coordinator, two orchestra coordinators, an instrument teacher and two students with SEN at the motor level and their parents or legal guardians. This sample represents those who are involved in the educational process of the orchestras that have students from the municipalities of Amadora and Oeiras. There was also an observation of individual instrument classes and rehearsals with the orchestra. The results suggests that the artistic education experienced by the students through participating in the orchestra can provide a beneficial environment, facilitate emotional expression and contribute to the personal, social and cultural development of the students. The methodological and pedagogical practices were shown to be inclusive and therefore the OG is an important tool working for the educational and inclusive process.


Palavras-chave


Inclusão, Música, Necessidades Educativas Especiais, Inclusion, Music, Special Education Needs

Texto Completo:

PDF

Referências


Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Correia, L.M. (2003). Educação Especial e inclusão_Quem disser que uma coisa não sobrevive sem a outra não está no seu perfeito juízo. Porto: Porto Editora.

Chiarelli, L. & Barreto, S. (2004). A Música como Meio de Desenvolver a Inteligência e a Integração do Ser. Disponível em: http://musicaeadoracao.com.br/25473/a-importancia-da-musicalizacao-na-educacao-infantil-e-no-ensino-fundamental/

Duarte, J. (2004). Pedagogia Diferenciada para uma aprendizagem eficaz. Contra o Pessimismo Pedagógico, uma Reflexão sobre duas Obras de Referência. Revista Lusófona de Educação, (4), 33-50.

Goncalves, F. (2010). Os efeitos da Animação Artística. A Música como fator de inclusão dos alunos de necessidades educativas especiais. Tese de Mestrado. Instituto Politécnico de Bragança. Disponível em: https://bibliotecadigital.ipb.pt/bitstream/10198/4305/1/Os%20efeitos%20da%20Anima%C3%A7%C3%A3o%20Art%C3%ADstica-07Dez10.pdf

Leite, C. (2005). (org.).Mudanças curriculares em Portugal. Porto: Porto Editora.

Malheiros, J., André, I., Reis, J. & Costa, V. (2012). Orquestra Geração-Estudo de Avaliação. Centro de Estudos Geográficos-IGOT. Universidade de Lisboa. Disponível em: http:// www.gulbenkian.pt/ images/mediaRep/institucional/FTP_ files/pdfs/ Relatorio _OG_2013/files/assets/downloads/publication.pdf

Meirinhos, M. & Osório, A. (2010). O Estudo de caso como estratégia de investigação em educação. EDUSER: Revista de Educação, (2), pp.49-65. Disponível em: https://bibliotecadigital.ipb.pt/bitstream/10198/3961/1/O%20estudo%20de%20caso%20como%20estrat%C3%A9gia%20de%20investiga%C3%A7%C3%A3o%20em%20educa%C3%A7%C3%A3o.pdf

Nery, R.V. (2010). Semear para colher através da Música. Boletim dos Professores (18), 4-5. Disponível em www.professorespt.com/docs/boletimdosprofessores18.pdf

Perrenoud, P. (2000). 10 Novas Competências para Ensinar. São Paulo: Artmed.

Rodrigues, D. (2003). Perspetivas sobre a inclusão: Da educação à sociedade. Porto: Porto Editora.

Rodrigues, D. & Lima-Rodrigues, L. (2011). Formação de Professores e Inclusão: como se reformam os reformadores? Curitiba: UFPR, Educar em Revista, (41), 41-60.

Silva, M.O.E. (2011). Educação Inclusiva – Um Novo Paradigma de Escola. Revista Lusófona de Educação, (19), 119-134. Disponível em: revistas.ulusofona.pt/ index.php/ rleducacao/ article/download/2845/2162

Sousa, A. (2003a), Educação pela Arte e Artes na Educação. Bases Psicopedagógicas. (vol. 1). Horizontes Pedagógicos.

Sousa, A. (2003b). Educação pela Arte e Artes na Educação. Música e Artes Plásticas. (vol 3). Horizontes Pedagógicos.

UNESCO (1994). Declaração de Salamanca – Sobre princípios, política e prática na área das necessidades educativas especiais. Paris: UNESCO.

UNESCO (2006). Roteiro para a Educação Artística. Comissão Nacional da Unesco. Lisboa: UNESCO.

UNESCO (2007). Roteiro para a Educação Artística. Comissão Nacional da Unesco.

processo de construção do conhecimento. Lisboa: Sílabo


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Copyright Stainless Steel Teapot