A MOTIVAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM EM ALUNOS COM CURRÍCULO ESPECÍFICO INDIVIDUAL: POTENCIALIDADES DO TRABALHO DE PROJETO The motivation for learning in students with individual specific curriculum: potentialities of the project work

Fátima Linguíça, Isabel Piscalho, Sónia Galinha, Francisco Silva

Resumo


Esta investigação procurou 1. Conhecer o impacto das medidas organizativas na construção da escola inclusiva; 2. Percecionar de que forma o trabalho de projeto pode potenciar a motivação dos alunos CEI; 3. Conhecer as representações dos alunos CEI sobre as aprendizagens escolares numa perspetiva de transição para a vida ativa. Qualitativa, descritiva, interpretativa-fenomenológica e etnográfica desenvolveu-se através da análise documental, observação naturalista, na aplicação de inquéritos por questionário aos alunos e na realização de entrevistas aos professores. N=fase exploratória=8 alunos CEI 2º 3º CEB inquiridos por questionário. Numa fase posterior foram selecionados N= 5 alunos CEI 2º 3º CEB em 2 sessões/ atelier projeto. As conclusões revelaram que o trabalho de projeto PMD é uma medida organizativa da escola para a inclusão para alunos CEI. Os ambientes enriquecidos pela tecnologia não foram um factor motivacional. Sugere-se como forma de potenciar a motivação para a aprendizagem a atribuição de maior valor às aprendizagens multidisciplinares de complemento pedagógico.

  

ABSTRACT

This research aimed to 1. Know the impact of organizational measures in the construction of inclusive school; 2. Perceive how the project work can enhance the motivation of the IEC students; 3. To know the representations of the CEI students about the school learning in a perspective of transition to the active life. Qualitative, descriptive, interpretive-phenomenological and ethnographic was developed through documentary analysis, naturalistic observation, the application of questionnaire surveys to students and interviews with teachers. N = exploratory phase = 8 CEI students 2º 3º CEB questioned by questionnaire. At a later stage, N = 5 CEI 2nd CEB students were selected in 2 sessions / atelier project. The findings revealed that the PMD project work is an organizational measure of the school for inclusion for CIS students. Technology-enriched environments were not a motivational factor. It is suggested as a way to enhance the motivation for learning to assign greater value to multidisciplinary learning of pedagogical complement.


Palavras-chave


Aprendizagem, Motivação, Necessidades Educativas Especiais, Projetos, Tecnologias, Learning, Motivation, Projects, Special Educational Needs, Technologies.

Texto Completo:

PDF

Referências


Ainscow, M. (2001). Desarrollo de escuelas inclusivas: ideas, propuestas e experiencias para mejorar instituciones. Madrid: Nancea.

Ainscow, M. & Ferreira, W. (2003). Compreendendo a educação Inclusiva. Algumas Reflexões sobre Experiências Internacionais. In David Rodrigues (Org.), Perspetivas sobre a Inclusão – da Educação à Sociedade (pp.103-116). Porto: Porto Editora.

Alonso, L. Magalhães, M. J. & Silva, M. O. (1996). Educação para todos. Inovação curricular e mudança escolar: o contributo do projeto “PROCUR” Lisboa: Ministério da Educação.

Amado, J. (2000). A técnica de análise de conteúdo. Referência 5, 53-63.

Amado, J. (2001). Relação pedagógica. (Relatório para efeitos de concurso a professor associado), Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Lisboa.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Beane, J. (2000a). O que é um currículo coerente? In José Pacheco, (Org.), Políticas de integração curricular. Porto: Porto Editora.

Beane, J. (2000b). Integração Curricular: a essência de uma escola democrática. In, J. A. Pacheco, J. C. Morgado & I. C. Viana (Orgs.). Políticas curriculares: caminhos da flexibilização e integração. Atas/IV colóquio sobre questões curriculares (pp.45-61). Braga: Centro de Estudos em Educação e Psicologia da Universidade do Minho.

Boekaerts, M. (2002). Motivation to learn. Bruxelas: IAE e IBE.

Bogdan, R. C. & Biklen, S.K. (1994). Investigação qualitativa em educação – Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora.

Boutinet, J-P. (1990). Anthropologie du projet (1ére ed.). Paris: PUF.

Carvalho, C. R. (2014). Uma escola para todos: a importância da diferenciação pedagógica no processo de ensino-aprendizagem. Relatório de Estágio para obtenção do grau de Mestre, Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti. Retirado de http://repositorio.esepf.pt/handle/123456789/1463.

Cortesão, L., Leite, C. & Pacheco, J. (2002). Trabalhar por projetos em educação – Uma inovação interessante? Porto: Porto Editora.

Diário da República (2012). Lei nº 51/2012, de 5 de Setembro – Novo Estatuto do Aluno.

Diário da República (2009). Lei nº 85/2009, de 27 de agosto – Lei que alarga o regime de escolaridade obrigatória.

Diário da República (2008). Decreto-Lei nº3/2008 de 7 de janeiro – Define os apoios especializados no âmbito das NEE.

Diário da República (1986). Lei nº 46/86 de 14 de outubro – Lei de Bases do Sistema Educativo (1ª LBSE).

Duarte, A. M. (2012). Aprender melhor: Aumentar o sucesso e a qualidade da aprendizagem. Lisboa: Escolar Editora.

Estrela, A. (1984). Prática de observação de classes: uma estratégia de formação de professores. Lisboa: INIC.

Fernandes, M. (2000). O currículo na pós-modernidade: dimensões a reconcetualizar. Revista de Educação, vol.IX, nº1, 27-38.

Galinha, S. A. & Canez, C.N. (2010). Psicologia e educação multimédia: Inovação e conhecimento na formação e aprendizagem com os recursos tecnológicos. In Psicologia.com.pt. Retirado de http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A0518.pdf

Gândara, R. I. (2013). A utilização das TIC como meio de aprendizagem na Educação Especial. Dissertação de Mestrado, Escola Superior S. João de Deus, Lisboa. Retirado de http://comum.rcaap.pt/handle/123456789/4568.

Huertas, J. A. (1997). Los principales marcos de referencia del estudio de la motivación. Un paseo histórico por la psicología de la motivación humana. In J. A. Huertas (Org.), Motivación. Querer aprender. Buenos Aires: Aique.

Krapp, A., & Lemos, M. S. (2002). Os interesses dos alunos como condição e como objetivo da aprendizagem escolar. In M. S. Lemos & T. R. Carvalho (Orgs.), O aluno em sala de aula (pp.77-104). Porto: Porto Editora.

Lagarto, J. R. (2007). Na rota da sociedade do conhecimento: as TIC na escola. Lisboa: Universidade Católica Editora.

Lagarto, J. R. (2013). Ambientes digitais de aprendizagem no ensino superior - Estudo de caso de uso do Moodle ", Trabalho apresentado na VII Conferência Internacional de TIC na Educação, In Atas da VII Conferência Internacional de TIC na Educação, Braga. Retirado de http://repositorio.ucp.pt/handle/10400.14/12057.

Leite, E. & Santos, M. (2005). A área de projeto e a metodologia de trabalho de projeto: da intenção à concretização. In M. Santos & E. Leite, Nos trilhos da área de projeto. Lisboa: IIE. Retirado de http://www.iie.min.edu.pt/biblioteca/excertos/índex.htm.

Lemos, M. S. (1999). Motivação, aprendizagem e desenvolvimento. In A. M. Bretão, M. S. Ferreira, & M. R. Santos (Orgs.), Pensar a escola sob os olhares da Psicologia (pp.69-84). Porto: Edições Afrontamento.

Linguiça, M. (2005). A área de projeto: contributos do trabalho por projetos para a compreensão/reflexão da transversalidade do currículo (vol.I e II). Dissertação de Mestrado, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Lisboa.

Linguiça, M. (2015). Projeto de Intervenção TIC com criança NEE. Trabalho no âmbito da unidade curricular TACAA, Escola Superior de Educação de Santarém.

Machado, S. F. (2013). Um novo desafio ao ensino secundário: inclusão de alunos com Currículo Específico Individual (CEI). Dissertação de Mestrado, Universidade Portucalence.

Marcelino, M. P. (2009). Inclusão e Currículo – As práticas curriculares dos professores dos 2º e 3º ciclos do ensino básico, decorrentes da inclusão de alunos com Necessidades Educativas Especiais. Dissertação de Mestrado, Escola Superior de Educação de Lisboa, Instituto Politécnico de Lisboa. Retirado de http://repositorio.ipl.pt/handle/10400.21/3254.

Ministério da Educação (2007). Declaração de Lisboa – Educação Especial. Pontos de vista dos jovens sobre Educação Inclusiva. Lisboa: Ministério da Educação.

Moura, A. (2007). Mobile-Learning: implicações no envolvimento dos alunos na aprendizagem. Retirado de http://www.youblisher.com/p/189281-Please-Add-a-Title/.

Moura, A. (2014). Geração Móvel. Comunicação apresentada ao TEDx Lisboa 2014. Retirada de https://www.youtube.com/watch?v=s_jbbslCx1g.

Patton, M. Q. (1987). How to Use Qualitative Methods in Evaluation. Newbury Park: Sage Publications.

Pacheco, J. A. (Org.) (1999). Componentes do processo de desenvolvimento do currículo. Braga: Livraria Minho.

Perrenoud, P. (1999). Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artmed.

Quivy, R. & Campenhoudt, L. (1992). Manual de investigação em ciências sociais. Lisboa: Ed. Gradiva.

Rodrigues D. (Org.) (2003). Perspetivas sobre a Inclusão – da Educação à Sociedade. Porto: Porto Editora.

Roldão, M.C. (1999). Gestão curricular – fundamentos e práticas. Lisboa: Ministério da Educação, Departamento da Educação Básica.

Roldão, M.C. (2003). Diferenciação curricular e inclusão. In David Rodrigues (Org.), Perspetivas sobre a Inclusão – Da Educação à Sociedade (pp.151-166). Porto: Porto Editora.

Sanches, I. (2005). Compreender, agir, mudar, incluir. Da investigação-ação à educação inclusiva. In Revista Lusófona de Educação, 5, 127-142. Retirado de http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/rle/n5/n5a07.

Sanches, I. (2011). Do ‘aprender para fazer’ ao ‘aprender fazendo’: as práticas de educação inclusiva na escola. Revista Lusófona de Educação, 19, 135-156. Retirado de http://www.scielo.gpeari.mctes.pt/pdf/rle/n19/n19a09.pdf.

Sanches, I. & Teodoro, A. (2006). Da integração à inclusão escolar : cruzando perspetivas e conceitos. Revista Lusófona de Educação, 8, 63-83. Retirado de http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/rle/n8/n8a05.pdf.

Silva, M. O. (2009). Da Exclusão à Inclusão: Conceções e Práticas. Revista Lusófona de Educação, 13, 135-153. Retirado de http://www.scielo.mec.pt/pdf/rle/n13/13a09.pdf.

Santos, M. M. (2011). Currículo Específico Individual: a voz dos alunos. Relatório de Estágio para obtenção do grau de Mestre, Universidade de Aveiro.

Stainback, S. & Stainback, W. (Orgs.) (1999). Inclusão – Um Guia para Educadores. Porto Alegre (RS): Artmed Ed.

UNESCO (1994). Declaração de Salamanca e Enquadramento da Ação na Área das Necessidades Educativas Especiais. Salamanca, Espanha.

Veiga Simão, A. M. & Dias, D. (2007). O conhecimento estratégico e a auto-regulação do aprendente. In Veiga Simão, A. M., Lopes da Silva, A., & Sá, I. (Orgs.) (2007). Auto-regulação da aprendizagem. Das concepções às práticas, (pp: 93-129). Lisboa: EDUCA.

Woods, P. (1995). La escuela por dentro: la etnografía en la investigación educativa. Barcelona: Paidós.

Zabala, A. (1998). A prática educativa. Como ensinar. Porto Alegre: Artmed.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Copyright Stainless Steel Teapot And Osmanthus Oolong Tea