MICROCEFALIA NA INTERVENÇÃO PRECOCE: ESTRATÉGIAS EFICAZES DE INTERVENÇÃO Microcephaly in early intervention: effective intervention strategies

Susana Margarida Sousa, Sónia Raquel Seixas, Isabel Piscalho

Resumo


O presente estudo, tem como finalidade contribuir para a melhoria e desenvolvimento de estratégias eficazes de intervenção no âmbito da Intervenção Precoce na Infância. Como método de investigação, optou-se por um estudo de caso que requer critérios que o definem de acordo com a investigação a realizar. O objetivo da investigação do mesmo incidiu sobre uma questão, saber quais as estratégias a desenvolver para uma intervenção mais eficaz, nos casos de risco estabelecido, com o diagnóstico de microcefalia. Foi adotada uma investigação de natureza qualitativa, tendo-se para isso, recorrido à utilização de entrevistas como instrumento de recolha de dados. Construiu-se um guião para três educadores de Infância e outro para a família, com questões abertas de forma a permitir aos entrevistados a fluência do seu discurso, exprimindo-se com abertura sobre as suas perceções, os seus valores, ajudando assim à compreensão das questões formuladas. Os resultados indicam que as estratégias de intervenção eficazes assentam nas principais premissas da Intervenção Precoce, comunicação, partilha de informação, preparar o trabalho conjuntamente, ter em consideração os sistemas individuais e contexto natural, no sentido de preparar programas educativos individuais adequados ao perfil de funcionalidade de cada criança.

 

ABSTRACT

This study aims to contribute to the improvement and development of effective intervention strategies in the context of Early Intervention for Children. The purpose of the investigation of this case study focuses on a base question: what are the strategies to be developed for more effective intervention in cases of risk established, with the diagnosis of microcephaly. Thus we propose a qualitative research method based on the use of interviews, for which we built a script for three educators for children and another family with open questions to allow the interviewee fluency of his speech, expressing with openness about their perceptions, their values, thus helping to understand the applied questions. The results were against the fundamental questions posed to the study. In fact the effective intervention strategies based on key assumptions of early intervention, communication, information sharing, prepare work together, take into account the individual systems and natural context, to prepare individual educational programs appropriate to the functionality profile of each child.

Keywords:

Palavras-chave


Desenvolvimento Global, Intervenção Precoce, Família, Microcefalia, Profissionais, Early Intervention, Family, Global Development, Microcephaly, Professionals

Texto Completo:

PDF

Referências


Almeida, I. C. (2002). Intervenção Precoce: Breve Reflexão sobre a Realidade Actual. Infância e Educação – Investigação e Práticas, 5, 130-143.

Almeida, I. C. (1997). A perspectiva ecológica em intervenção precoce. Cadernos do CEACF, 13/14, 29-40.

Almeida, I. C. (2000a). A importância da intervenção precoce no actual contexto sócioeducativo. Cadernos CEACF,15/16, 55-74.

Almeida, I. C. (2000b). Evolução das teorias e modelos de intervenção precoce: Caracterização de uma prática de qualidade. Cadernos CEACF,15/16, 29-46.

Almeida, I. C. (2004). Intervenção precoce: Focada na criança ou centrada na família e na comunidade? Análise Psicológica, 22(1), 59-66. Retirado de: http://www. scielo.oces.mctes.pt/pdf/aps/v22n1/ v22n1a07.pdf

Bailey, D., & Wolery, M. (1992). Teaching infants and preschoolers with disabilities. New York: MacMillan Publishing Company.

Bairrão, J. (1994). A perspectiva ecológica na avaliação de crianças com necessidades educativas especiais e suas famílias: o caso da Intervenção Precoce. Inovação, 7, 37-48.

Behrman, R., & Kliegman, R. (1997). Tratado de Pediatria. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Bhattacharjee, Y. (fevereiro, 2015). O cérebro no primeiro ano. National Geographic.

Brazelton, T. & Greenspan, S. (2002). A criança e o seu Mundo – Requisitos essenciais para o crescimento e aprendizagem. Lisboa: Editorial Presença.

Bricker, D., & Cripe, J. W. (1992). An activity-based approach to early intervention. Baltimore MD: Paul H.Brookes.

Correia, L. M. (2007). Trabalho em Equipa e Liderança. Instituto Superior Técnico Disponível em: https://fenix.tecnico.ulisboa.pt/.../07_TrabalhoEquipaLideranca. pdf. Portfólio.

Correia, M. L. (2005). Inclusão e necessidades educativas especiais – um guia para educadores e professores. Porto: Porto Editora.

Coutinho, M. T. (2004). Apoio à família e formação parental. Análise Psicológica, 22 (1), 55-64. Retirado de: http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/aps/v22n1/ v22n1a06.pdf

Damásio, A. (2003). Ao encontro de Espinosa. As emoções Sociais e a Neurologia do Sentir. Mem Martins: Publicações Europa –América.

Decreto-Lei nº 281/2009. Diário da República, I Série, nº193 de 6 de outubro de 2009.

Despacho conjunto nº 891/1999. Diário da República, II Série, nº 244 de 19 de outubro de 1999.

Dunst, C., Trivette, C., & Jodry, V. (1997). Influences of Social Support on Children with Disabilities and their Families. In M. J. Guralnick (Ed.), The Effectiveness of Early Intervention (pp. 499-522). Baltimore: Paul H. Brookes.

Esteves, S. (2005). A afectividade e a Relação Pedagógica – Como é que nos conseguimos esquecer de algo tão fundamental como os afecto!? Cadernos de Educação de Infância, 73, 11-12.

Gomes-Pedro, J. (1995). Bebé XXI, Criança e Família na Viragem do Século. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Guralnick, M. (1997). Second-Generation Research in the Field of Early Intervention. In M. J. Guralnick (Ed.), The Effectiveness of Early Intervention (pp.3-22). Baltimore: Paul H.Brookes.

Luís, H. & Calheiros, M. (2008). Análise do Empenhamento do Educador: Uma Experiência de Formação e Supervisão no contexto de Jardim de Infância. Interacções, 9, 66-79.

Manuila, L. et al . (2004). Dicionário Médico. Lisboa: Climepsi Editores

Ministério da Educação (2004). Conceitos e Práticas em Intervenção Precoce. Lisboa: DGIDC.

Mott, D. W., & Dunst, C. J. (2006). Influences of resource-based intervention practices on parent and child outcomes. CASEinPoint. Retirado de: http://www.fippcase.org/caseinpoint/caseinpoint_vol2_no6.

Mott, D. W. (2005). Characteristics and consequences of resource-based interventionpractices. CASEmakers. Retirado de: http://www.fippcase.org/ casemakers/casemakers_vol1_no5.pdf.

Perrenoud, P. (2005). Ensinar: agir na urgência, decidir na incerteza. Porto Alegre: Artmed Editora.

Pimentel, J. S. (2004). Avaliação de programas de intervenção precoce. Análise Psicológica, 22(1), 43-54. Retirado de: http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/aps/ v22n1/v22n1a05.pdf.

Pimentel, J. (2005). Intervenção focada na família: desejo ou realidade. Lisboa: Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência.

Pinto, A. I. & Castro, S. (2013). Intervenção Precoce: Promoção de Oportunidades de Aprendizagem em contextos naturais. Porto: FPCE-UP Pinto, A., Grande, C., Felgueiras, I., Pimentel, J., & Novais, I. (2009). Intervenção e investigação em Idades Precoces: o Legado de Joaquim Bairrão. Porto:

Rigolet, S. A. (2000). Os Três P – Precoce, Progressivo, Positivo. Porto: Porto Editora.

Sampaio, I. (2007). Práticas educativas parentais, gênero e ordem de nascimento dos filhos: atualização. Revista Brasileira Crescimento Desenvolvimento Humano, 17(2), 144-452.

Shearer, M. & Bluma, S. (1994). Guia de Pais para a Educação Precoce. Programa Portage de Educação Precoce. Lisboa: Associação Portage.

Strecht, P. (2001). Interiores - Uma ajuda aos pais sobre a vida emocional dos filhos. Lisboa: Assírio & Alvim.

Strecht, P. (2007). O teu pequeno nome. Lisboa: Editora Assírio & Alvim.

Tardif, M. (2007). Saberes Docentes e Formação Profissional. Petrópolis, RJ: Vozes.

Tegethof, M. I. (2007). Estudos sobre a intervenção precoce em Portugal: Ideias dos especialistas, dos profissionais e das famílias. Tese de Doutoramento. Retirado de: http://repositorio.ispa.pt/bitstream/10400.12/47/1/TES%20TEGE1%20-%2017453.pdf

Thurman, S. (1997). Systems, ecologies and the context of early intervention. In S. K. Thurman, J. R. Cornwell, & S. R. Gottwald (Eds.), Context of Early Intervention - Systems and Settings (pp. 3-17) Baltimore: Paul H. Brookes.

Trivette, C., Dunst, C. & Deal, A. (1997). Resource-Based Aproach to Early Intervention. In S. K. Thurman, J. K. Cornwell, & S. K. Gottwald (Eds.), Context of Early Intervention – Systems and Settings (pp.73-92). Baltimore: Paul H. Brookes Publishing.

Yin, R. K. (1989). Case study research: Design and methods. Newbury Park, CA: Sage.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Copyright Stainless Steel Teapot