APOIO DOMICILIÁRIO: PERSPETIVAS DE FAMÍLIAS E EDUCADORES Home care: family and educators perspectives

Gladys da Silva Rodrigues, Sónia Raquel Seixas, Isabel Piscalho

Resumo


O estudo realizado sobre o apoio domiciliário pretende conhecer as perspetivas de famílias e educadores. Nele referenciamos as práticas da intervenção precoce (IP), ressaltando-se a necessidade das famílias e dos profissionais se envolverem em práticas participativas, que fomentem o diálogo e a aquisição de competências. Dá-se especial relevância ao domicílio, enquanto contexto educativo, pois este está diretamente associado ao desenvolvimento da criança e ao seu bem-estar.

Nesta senda, o profissional de intervenção precoce desenvolve capacidades de comunicação e procura maximizar o apoio em contexto domiciliário, com a mínima intrusão, respeitando os valores e crenças da família.

Ao entrevistarmos educadores de infância que exercem funções nas equipas locais de intervenção precoce e as famílias apoiadas, pretendíamos também desmistificar a possível existência de uma conflitualidade entre os valores pessoais de uns e de outros e perceber se existem sentimentos de perda de privacidade e de intromissão. Ficámos a saber que ambos os grupos entrevistados consideram que os benefícios do apoio domiciliário se sobrepõem a qualquer destes sentimentos.


ABSTRACT

This study on home care provision aims to understand the perceptions that families and educators have on the subject of early intervention. Early intervention, referenced in this text (EI), highlights the need for families and professionals to engage in active practices that foster dialogue and the acquisition of skills. The home becomes especially relevant as an educational environment as it has a direct effect on the child's development and well- being. 

In this vein, the early intervention professional develops communication skills and seeks to maximize support within the home environment, with minimal intrusion whilst respecting the values and beliefs of the family.

Interviews were conducted with kindergarten teachers, who work in local early intervention teams, as well as the families which receive the support. The aim of these interviews was to demystify the possible existence of conflict between the personal values of each group, and to understand whether or not there are feelings of intrusion and a loss of privacy, which could affect both. The conclusion drawn was that both groups considered that the benefits of home care provision, on the whole, surpassed any previously identified challenges.

Keywords:

Palavras-chave


Apoio domiciliário, Família, Intervenção precoce, Profissional de IP, Early intervention, EI professional, Family, Home care,

Texto Completo:

PDF

Referências


Able-Boone, H. (1996). Ethics and early intervention: toward more relationship-focused interventions. Young Children, 9 (2), pp. 13-21.

Almeida, I. (2004). Intervenção precoce: Focada na criança ou centrada na família e na comunidade? Análise Psicológica, 22 (1), pp. 65-72.

Almeida, L., & Freire, T. (2007). Metodologia da Investigação em Psicologia e Educação. Braga: Psiquilíbrios.

Alves, M. (2009). Intervenção Precoce e Educação Especial. Práticas de Intervenção Centradas na Família. Viseu: Psicossoma.

Amado, J. (2009). Introdução à Investigação Qualitativa em Educação. Coimbra: Universidade de Coimbra.

Andrade, C. (2008). Os maus tratos na infância e os Programas de Competências Parentais – Estudo na Região Autónoma da Madeira. Tese de mestrado, Universidade Fernando Pessoa, Porto. Portugal. Disponível em http://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/1075 /1/ Cl%C3%A1udiaAndrade.pdf

Bardin, L. (1995). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bell, J. (2002). Como Realizar um Projecto de Investigação. Lisboa: Gradiva.

Bernheimer, L. & Keogh, B. (1995). Weaving interventions into the fabric of everyday life: An approach to family assessment. Topics in Early Childhood Special Education, 15 (4), pp. 415-433.

Bruder, M. (2000). Family-centered early intervention: Clarifying our values for the new millennium. Topics in Early Childhood Special Education, 20 (2), pp. 105-115.

Copa, A., Lucinski, L., Olsen, E., & Wollenburg, K. (1999). Promoting professional and organizational development: A reflective practice model. Zero to Three, 20 (1), pp. 3-9.

Correia, L. & Serrano, A. (2000). Intervenção precoce centrada na família: Uma perspetiva ecológica de atendimento. In: L. M. Correia & A. M. Serrano (org.). Envolvimento parental em intervenção precoce – Das práticas centradas nas crianças às práticas centradas nas famílias, pp.11- 32. Porto: Porto Editora.

Coutinho, M. (2004). Apoio à família e formação parental. Análise Psicológica, 22 (1), pp. 55-64.

Decreto-Lei nº 281/2009 de 6 de outubro. Diário da República, 1ª série – n.º193, de 6 de outubro de 2009. Lisboa. Ministério da Educação.

Dicionário online de português. (2015). Disponível em http://www.dicio.com.br/pers pectiva/

Feliciano, F., Santos, P., Silva, C., Portugal, G., Carvalho L., Tavares, R., Simões, O., Bicho, A., Rodrigues, C. & Agra, S. (2011), Promoção de competências relacionais em IP através do vídeo hometraining e vídeo interaction guidance – vht/vig: as famílias no estudo-piloto. Atas do II Congresso Internacional Interfaces da Psicologia: “Qualidade de Vida…Vidas de Qualidade”, pp. 248-261. Universidade de Évora.

Gonçalves, A. & Baptista, S. (1998). Projeto Comunitário de Intervenção Precoce. Cadernos de educação de Infância, 48, pp. 133-155.

Klass, C. S. (2003). The home visitor’s guidebook: Promoting optimal caregiver and child development. Baltimore: Brookes.

Leitão, F. (2004). A Intervenção Precoce e a Criança com Síndrome de Down - Estudos sobre Interação. Porto: Porto Editora.

Matos, F. (2009). O discurso dos mediadores na intervenção precoce. Dissertação de mestrado, Universidade da Beira Interior, departamento de letras. Covilhã, Portugal. Disponível em http://ubithesis.ubi.pt/handle/10400.6/1782

Matos, S. (2010). Contributos para o estudo do perfil de competências do profissional de Intervenção Precoce: As perspetivas dos profissionais. Dissertação de mestrado, Universidade do Minho, Instituto de Educação, Minho, Portugal. Disponível em http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/13923/1/ disser ta%C3%A7%C3%A3o.pdf

McWilliam, A. (2012). Trabalhar com as Famílias de Crianças com Necessidades Especiais. Coleção Educação Especial. Porto: Porto Editora.

Mott, D. (1997). The Home Environment. In. S. Thurman, J. Cornwell & S. Gottwald (Eds.). Contexts of Early Intervention: systems and settings, pp. 139-163, Baltimore: Paul H. Brookes Publishing.

Norman-Murch, T. (1996). Reflective supervision as a vehicle for individual and organizational development. Zero to Three, 17(2), pp. 16-20.

Pharis, M. E., & Levin, V.S. (1991). A person to talk to who really cared “High-risk mothers” evaluation of services in an intensive intervention research program. Child Welfare, 70 (3), pp. 307-320.

Pimentel, J. (2005). Intervenção focada na família: Desejo ou realidade: Perceções de pais e profissionais sobre as práticas de apoio precoce a crianças com necessidades educativas especiais e suas famílias. Lisboa: Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência.

Pimentel, J., Correia, N. & Marcelino, S. (2011). A avaliação das práticas como contributo para a promoção da qualidade dos programas de intervenção precoce. Análise Psicológica, 1 (29), 47-65.

Quivy, R., & Campenhoudt, L. V. (1992). Manual de investigação em ciências sociais. Lisboa: Gradiva-Publicações.

Relvas, P. (2000). O Ciclo Vital da Família. Porto: Edições de Afrontamento

Rogers, C. (1984). Tornar-se Pessoa. Lisboa: Moraes Editores.

Santos, P., Silva, C., Agra & Portugal (2012). As Relações no foco da Intervenção Precoce. Revista Diversidades, 35, 16.

Serrano, A. (2007). Redes Sociais de Apoio e sua Relevância para a Intervenção Precoce. Coleção Educação Especial. Porto: Porto Editora.

Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância (2015). Disponível em https://www.dgs.pt/sistema-nacional-de-intervencao-precoce-na-infancia.aspx

Tegethof, M. (2007). Estudos sobre a intervenção precoce em Portugal: ideias dos especialistas, dos Profissionais e das famílias. Dissertação de doutoramento, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto, Porto, Portugal. Disponível em http://repositorio.ispa.pt/bitstream/10400.12/47 /1/TES%20TEGE1%20-%2017453.pdf

Tisot, C. M. & Thurman, S. K. (2002). Using behavior setting theory to define natural settings: A family-centered approach. Infants and Young Children, 14 (3), pp. 65-71.

Workgroup on Principles and Practices in Natural Environments (2008). Agreed upon mission and key principles for providing early intervention services in natural environments. OSEP TA Community of Practice–Part C Settings. Disponível em http://ectacenter.org/~pdfs/topics/families/Finalmissionandprin ciples 3_11_08.pdf


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Copyright Stainless Steel Teapot