RAÍZES, ENQUADRAMENTO E CARACTERÍSTICAS DA FITOTERAPIA NATURAL

Carlos Campos Ventura, Paula Bicho, Dulce Campos Ventura

Resumo


Resumo

A Fitoterapia, que consiste na utilização de plantas para preservar a saúde e tratar a doença, é uma das Terapêuticas Não Convencionais/TNCs (TNCs) cuja prática profissional se encontra legalizada em Portugal. A Fitoterapia detém um saber que adveio da experiência do uso de plantas alimentares e medicinais pelo Homem durante toda a sua existência. Do desenvolvimento histórico da Fitoterapia emergiram marcantes afinidades e dissimilaridades com outras Terapêuticas não Convencionais que também recorrem a plantas medicinais, designadamente a Naturopatia e as Medicinas Tradicional Chinesa (MTC) e Ayurveda. A eficácia e a utilidade da Fitoterapia encontram-se reconhecidas nacional e internacionalmente. Com a plena regulamentação legal da profissão de fitoterapeuta, os portugueses passarão a usufruir duma Fitoterapia com qualidade acreditada. Neste contexto, e com o objectivo de proporcionar um correcto conceito da Fitoterapia do presente, neste artigo descreve-se o que no essencial foi a génese histórica da Fitoterapia, como antecedente do que hoje a caracteriza e posiciona em relação às restantes terapêuticas convencionais e não convencionais, nomeadamente no que toca a paradigmas, preceitos e metodologias. Partindo desta base, são descritas as características fundamentais da Fitoterapia do presente e analisam-se as perspectivas da sua evolução à luz da regulamentação em curso da sua prática profissional.


Abstract

Phytotherapy, which consists in the use of plants to preserve health and treat illness, is one of the non- conventional therapies/nct witch professional practice is legal in Portugal. Phytotherapy holds a knowledge that comes upon from mankind experience of the use of food and medicinal plants throughout their existence.  From Phytotherapy´s historical development emerged striking affinities and dissimilarities with other non-conventional therapeutics that also appeal to medicinal plants, namely Naturopathy, Traditional Chinese Medicine and Ayurvedic.  The effectiveness and usefulness of Phytotherapy are recognized nationally and internationally. With the full legal regulation of the Phytot herapist profession, the Portugues

population will make use of a Phytotherapy with accredited quality. In this context and in order to provide a proper view of nowadays Phytotherapy, this article describes what essentially was the historical genesis of Phytotherapy, as antecedent of what characterizes it and stands on in relation to other conventional and non- conventional therapeutics, particularly regarding paradigms, principles and methodologies. On that basis, the fundamental characteristics of nowadays Phytotherapy are described, and the prospects for its development in the light of the current regulation of their professional practice are analyzed.


Palavras-chave


Fitoterapia; Terapêuticas Não Convencionais/TNCs (TNCs); Naturopatia; Medicina Tradicional Chinesa (MTC); totum vegetal; leis naturopáticas; Phytotherapy; Non-Conventional Therapeutics/NCTs; Naturopathy; Traditional Chinese Medicine; totum vegetal

Texto Completo:

.pdf

Referências


• Beles, João (2011) Naturopatia – A natureza cura a natureza. Edições Mahatma. Bernard, Claude (2011) Introdução ao Estudo de Medicina Experimental. Publicações Europa-América. Castro, José Lyon (1981) – Medicina Vegetal. Publicações Europa-América.

• Chevallier, Andrew (2009) Guias Essenciais DK – Plantas Medicinais. Dorling Kindersley – Civilização Editores.

• Clarke, Robert (1961) Claude Bernard et la medicine expérimentale. Éditions Seghers.

• Cunha, A. Proença da (Coordenador) (2005) Farmacognosia e fitoquímica. Fundação Calouste Gulbenkian. Delaveau P.; Mortier F.; Rivolier C.; Rivolier J.; Schweitzer A. R. (1983) Segredos e virtudes das plantas medicinais. Edição de Selecções do Reader’s Digest. Lisboa.

• Elumalai A., Eswariah M. C. (2012) Herbalism – a review. Int. J. Phytotherapy, 2(2):96-105. Feijão, Raúl d´Oliveira (1961) Elucidário Fitológico. Edição Instituto Botânico de Lisboa. Fernández, Odile (2015) Guia completo anticancro. Marcador Editora.

• Ferreira T. S.; Moreira, C. Z.; Cária, N. Z.; Victoriano, G.; Silva Jr. W. F.; Magalhães, J. C. (2014) Phytotherapy: an introduction to its history, use and application. Rev. Bras. Pl. Med., Campinas, 16(2):290-298. Haggard, Howard (1953) Devils, Drugs and Doctors. Cardinal Edition.

• Hoffmann, David (2003) Medical herbalism – The science and practice of herbal medicine. Inner Traditions International.

• Homem, Fred Vasques (1979) Neonaturoterapia Racionalista. Edição Medicina Natural.

• IEFP/Instituto do Emprego e Formação Profissional-Ministério do Emprego e da Segurança Social (1994). Classificação Nacional das Profissões.

• INE/Instituto Nacional de Estatística (2011) Classificação Profissional das Profissões 2010.

• Klein T; Longhini R; Bruschi ML; Melo JCP. (2009) Fitoterápicos, um mercado promissor. Revista Ciência Farmacológica Básica Aplicada 30(3):241-248.

• Lei n.º 45/2003 (2003) Lei do enquadramento base das terapêuticas não convencionais. Diário da república, 1.ª série-A, N.o 193, 22 de agosto de 2003.

• Lei n.º 71/2013 (2013) Regulamenta a Lei n.º 45/2003, de 22 de agosto, relativamente ao exercício profissional das atividades de aplicação de terapêuticas não convencionais. Diário da República, 1.ª série, N.º 168, 2 de setembro de 2013. Marchesseau, Pierre; Jauvais, Grégoire (1970) Curso Completo Teórico e Prático de Biologia Naturopática. Nova Editorial Natura.

• Miller, A. C. (2006) Jundi-Shapur, bimaristans, and the rise of academic medical centres. J. R. Soc. Med., 99:615–617.

• Murray, Michael; Pizzorno, Joseph (1997) The Encyclopaedia of Natural Medicine, Ed. Simon & Schuster

• Namora, Fernando (1977) Deuses e Demónios da Medicina. Edição Círculo dos Leitores.

• Orta, Garcia (1563) Colóquios dos simples, e drogas he cousas mediçinais da India. Edição Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2011.

• Ribeiro, Eduardo (1995) Plantas medicinais e complementos bioterápicos. Livros de Vida, Editores, Lda. Schulz, Volker; Hänsel, Rudolf; Tyler, Varro E. (2002) Fitoterapia racional – Um guia de fitoterapia para as ciências da saúde. Editora Manole.

• Scimeca, Daniel; Tétau, Max (2012) Votre santé par les plantes. Editions Alpen.

• Tolstoi, Leon (1908) A Próxima Revolução. Livraria Central de Gomes de Carvalho

• Torrão, Nunes (1979) Dr. Indíveri Colucci, Meio Século ao Serviço da Humanidade, uma vida consagrada à Naturopatia. Nova Editorial Natura. O Vegetariano (revista) Volume I, 1909-1911 (1912); Volume V (1914). Sociedade Vegetariana Portuguesa Ventura, Carlos Campos (2006 outubro). O Elo Perdido entre Hipócrates e a Naturopatia Actual. Revista Natural Beija Flor.

• Ventura, Carlos Campos (2007 julho). Naturopatia Clássica e Moderna. Revista Natural Beija Flor.

• Ventura, Carlos Campos (2008). A Naturopatia e a Fitoterapia Clássicas, herdeiras de Hipócrates. Anuário do Ministério da Saúde.

• Ventura, Carlos Campos (2009 janeiro). Garcia de Orta, Nome Maior da História da Medicina Portuguesa. Revista Natural Beija Flor.

• WHO (2013) Traditional Medicine Strategy 2014-2023. World Health Organization.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.